quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Resenha de Show: Moptop, Parachamas e Ursulla no Curupira

A primeira a gente nunca esquece (?)
Pela primeira vez um texto meu teve utilidade prática, no dia 23/09/2008, então registro aqui esse momento feliz:

Resenha dos shows do dia 20/09/2009 no CURUPIRA ROCK CLUB, em Guaramirim/SC, com as bandas Moptop, Ursulla, Parachamas e Rock Picture Show (que não rolou eu assistir):

CLIQUE AQUI PARA LER A RESENHA NO SITE ZONA PUNK!


MopTop, Parachamas e Ursulla
20/09/2008 - Curupira Rock Club - Guaramirim/SC


Sábado de frio e chuva em Guaramirim, nem o tempo ruim intimidou a galera que foi ao Curupira Rock Club curtir as bandas Rock Picture Show, Parachamas, Ursulla e Moptop. Lendário e famoso pelos eventos de rock que produz, o Curupira, com seus 15 anos de existência, tornou-se o lugar onde todas as bandas do underground catarinense cobiçam tocar, é quase um status, um selo de qualidade.
Cerca de dez horas da noite o local já estava cheio. O único show de lançamento do novo cd da Moptop em Santa Catarina arrastou pessoas de diversas cidades do estado, a movimentação por lá era grande, várias excursões e os apenas trezentos ingressos limitados para o show foram vendidos quase todos antecipadamente. A galera aguardava próxima ao bar enquanto a porta que dá acesso ao palco não era aberta. Como todo dia de chuva tem seus imprevistos, a banda Rock Picture Show de Balneário Camboriú acabou se atrasando, e quem abriu a noite foi a Parachamas, de Blumenau.
Mal abriu-se a porta, a galera literalmente correu até a frente do palco e lotou o Curupira. Parachamas então, começa seu show, vibrante e enlouquente: conquistam rápido o público que ainda não os conhecia e fazem a alegria de quem já é fã. O show teve até confete e serpentina, um verdadeiro carnaval de rock embalado pelo ritmo do trio de metais. As músicas “Perdendo o Controle” e “Bem Vindo” estavam na boca da galera, que não parava de pular por um minuto. Pra fechar com chave de ouro, “Como Não Dizer”, que já virou hino, foi o ápice do show mesmo sendo a última música, e a Parachamas desce do palco com gritos e aplausos merecidos.
A troca das bandas foi rápida. Logo a Ursulla, de Joinville, já estava pronta para dar o seu show. Na primeira música já deixam transparecer todas as suas influências indies, e quem havia saído para comprar uma cerveja voltou para dentro, atraído pelo som. Eles sabem bem como compor músicas bonitas, limpas, agradáveis e com ótimas letras, daquelas que não se quer mais parar de ouvir. O show contou com músicas mais antigas, como “Dezembro” e “Pássaros de Plástico”, e também com as mais recentes como “Inconstante”, lançada esse ano. Ursulla, assim como Parachamas, também teve seu coral de fãs, cantando as músicas do início ao fim. É gratificante ver como a cena em Santa Catarina tem crescido, e a galera tem dado apoio e curtido as bandas daqui.
Exatamente no horário previsto, às duas da manhã, as estrelas da noite penduram sua bandeira no palco e a festa recomeça. Moptop abre seu show com “Contramão”, em seguida “Uma Chance” e “Beijo de Filme”, todas executadas perfeitamente pela banda, deixando claro que eles prezam pela perfeição das músicas ao vivo. Mesclando faixas do primeiro e do último cd, o rock segue com a galera alucinada, cantando, pulando e de vez em quando se via alguém com as pernas pro ar. Um show com tudo à que se tem direito: músicas novas e antigas, público receptivo e vibrante, moshs e uma fã maluca invadindo o palco.
Dizendo apenas para a galera se comportar, a Moptop puxa um cover de Ramones: “The Kkk Took My Baby Away” destrói o Curupira e o público vai à loucura. “Como se Comportar”, “Sempre Igual” e “O Rock Acabou” finalizam o show, que termina com gritos ensurdecedores, e a banda sai do palco e vai direto dar autógrafos e bater fotos, atitude merecedora de aplausos, pois são poucas as bandas que depois de atingirem certo sucesso, continuam dando atenção de verdade aos seus fãs.
E o rock acabou no Curupira com gosto de quero mais para os trezentos privilegiados que lá estavam, “e já são quase cinco da manhã...”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário